sábado, 11 de junho de 2011

O Batismo do Espírito Santo

Eu vos batizei em água; Ele, porém, vos batizará no Espírito Santo. Marcos 1:8.


                 Estudaremos nestas ensanchas um assunto que tem abalado a fé de muitos cristãos sinceros. Alguns têm questionado: “Porque ainda não fui batizado com o Espírito Santo?” E esse evento é considerado por não poucas pessoas do mundo evangélico como o marco de uma vida privilegiada em Cristo. E quem foi batizado com  o Espírito Santo recebe um destaque especial no seio de sua comunidade: “Ele(a) é batizado(a) com o Espírito Santo!Será, de fato, o batismo com  o Espírito Santo uma marca que sobressaia aqueles que o receberam? Como saber se eu fui verdadeiramente batizado com o Espírito Santo? Essas perguntas são assaz apropriadas e de relevada importância, e por este azo, necessitam de uma resposta consistente à luz das Escrituras Sagradas. Enfoquemo-las, portanto.
                 Tomemos como ponto de partida o Livro de Hebreus. Malgrado o vilipêndio que se tem demonstrado pela Lei de Deus, no Novo Concerto ou Testamento, ela está presente, e precisa estar. Está escrito: “Este é o pacto que farei com eles depois daqueles dias, diz o Senhor: Porei as minhas leis em seus corações, e as escreverei em seu entendimento.Hebreus 10:16. “Depois daqueles diasrefere-se ao tempo que viria depois da morte de Cristo. Não há graça sem lei, não há julgamento sem código. Que dificuldade para entendermos isso! Tem o batismo do Espírito Santo alguma relação com a lei de Deus? Claro que sim. O apóstolo Pedro, mesmo convertido, ainda achava que os gentios não eram dignos de receberem o favor espiritual de Deus. Foi-lhe necessária uma lição para que ele desaprendesse o que havia aprendido: Cornélio, um homem estranho à comunidade de Israel. O Livro Sagrado reserva que Cornélio foi batizado com o Espírito Santo, no entanto, em que condições: alheio aos mandamentos de Deus ou temente a eles? Assim está escrito: “Eles responderam: o centurião Cornélio, homem justo e temente a Deus e que tem bom testemunho de toda a nação judaica, foi avisado por um santo anjo para te chamar à sua casa e ouvir as tuas palavras.Atos 10:22. Tal incidente cravou na mente de Pedro o que o Espírito Santo falara por seus próprios lábios, anteriormente a esse fato: “E nós somos testemunhas destas coisas, e bem assim o Espírito Santo, que Deus deu àqueles que lhe obedecem.Atos 5:32.
                Para todo filho de Adão, Deus estende o Seu convite de terno amor. O Espírito Santo a todo instante apela para os corações dos homens, a fim de que abandonem o mal e voltem para o Seu Criador. Ele insta com o homem a reconhecer sua vida de pecados, de afastamento de Deus, assim como nos idos antediluvianos. Ainda que seja Deus, Ele busca a permissão do ser humano para reconstruir o templo, para que nele habite. E quando alguém dá ouvidos a Sua voz, Ele lhe mostra o estado moral degradado, contrapondo-o à santa lei divina, e em seguida, leva o homem ao Calvário, apontando para o inestimável e substituinte sacrifício de Cristo. Ali, aos pés do Salvador, este ser entrega a sua alma a Deus. E, aludindo a este grande e maravilhoso acontecimento, João diz: “E a todos quantos O receberam, deu-lhes o poder de serem feitos filhos de Deus, aos que crêem no Seu nome; os quais não nasceram do sangue, nem da vontade da carne, nem da vontade do homem, mas de Deus.João 1:12 e 13.
                Todos, sem exceção, receberão o poder de ser feito filho de Deus, se receber a Cristo em sua mente, em seu coração, como seu Salvador pessoal. Esse poder vem através do Espírito Santo. E com que finalidade? Habilitar o recém-nascido a viver segundo o padrão dos cidadãos do Céu até a estatura de Cristo. Paulo disse: “Sede, pois, imitadores de Deus, como filhos amados.” “E ele mesmo deu uns para apóstolos, e outros para profetas, e outros para evangelistas, e outros para pastores e doutores, querendo o aperfeiçoamento dos santos, para a obra do ministério, para edificação do corpo de Cristo, até que todos cheguemos à unidade da fé, e ao conhecimento do Filho de Deus, a homem perfeito, à medida da estatura completa de Cristo.Efésios 5:1; 4:11-13. Isso não é possível para aquele que ainda não contemplou a dádiva do Espírito Santo. Em contrapartida, aquele que O recebeu, demonstrará uma vida isenta de pecado, pois agora não é mais o pecado que habita em seu ser, e sim, o próprio Espírito de Deus. Sua vida a cada dia refletirá a vida do próprio Salvador. Pelo Espírito, Cristo vem habitar na alma, e Sua vida de obediência é refletida na vida da nova criatura.
                 Como vimos o propósito de Deus é que todos, todos aqueles que entregaram sua vida a Ele, recebam o poder dos Céus para que vivam uma vida de vitória, uma vida de crescimento espiritual até alcançar a estatura do Salvador. E como isso ocorre? Assim está escrito: “Mas, quando vier Aquele Espírito da verdade, Ele vos guiará em toda a verdade.João 16:13. Vemos que é o Espírito Santo que nos conduz a toda a verdade, e a obediência à verdade é o que chamamos de santificação ou purificação. O Espírito Santo nos purifica ou santifica, ou melhor, nos torna mais e mais semelhantes a Deus, por intermédio das Santas Escrituras. “Purificando vossas almas pelo Espírito na obediência à verdade.I Pedro 1:22. Jesus Cristo mostra clarividentemente nas palavras: “Santifica-os na verdade; a tua palavra é a verdade.João 17:17.
                 Não há espaço para a dúvida: se temos o Espírito Santo habitando em nosso ser, nossa vida de obediência aos mandamentos de Deus será mais que expressiva, e nós não precisaremos alardear isso, porquanto a luz se evidencia naturalmente nas trevas. Então, podemos afirmar sem medo de errar que o batismo do Espírito Santo está associado diametralmente à obediência ao decálogo, os dez mandamentos de Deus, pois o próprio Cristo, “ainda que era Filho, aprendeu a obediência por meio daquilo que sofreu.Hebreus 5:8. “Ainda que era Filho” significa que, se Ele era o Filho e obedeceu, quanto mais nós, que devemos seguir-Lhe o exemplo, uma vez que estamos abaixo dEle! Mas os dez mandamentos não fizeram parte somente do Velho Concerto ou Testamento? Não. O código moral é a base dos dois concertos. A morte de Jesus é a maior prova de que a lei de Deus é imutável, pois tanto o velho quanto o novo apontam para a cruz. Fazendo uma breve comparação entre os dois concertos, Paulo assim se expressou: “A circuncisão nada é, e também a incircuncisão nada é, mas sim a observância dos mandamentos de Deus.I Coríntios 7:19. A declaração de Paulo é enfática, não é?
                 Sabemos muito bem que nenhum lugar subsistirá se não houver ordem, se não houver uma lei que regulamente a vida da comunidade. Até os animais se submetem a uma lei. Entre os búfalos, nenhum da manada entra no rio se primeiro o líder não entrar, e nenhum sai do rio se o líder não sair primeiro. Interessante, não é verdade? Os irracionais vivem sob regras, enquanto que os racionais relutam quanto à lei do seu Criador. Em nosso lar, por exemplo, estabelecemos regras e ordenamentos, e fiscalizamos o seu cumprimento, porém rejeitamos a idéia de que sobre nós há um governo superior, cuja Autoridade estabeleceu Suas regras para que todas as coisas seguissem em harmoniosa sintonia. Daí surge uma indagação: o que significam as regras que impomos em nossa casa, em nosso trabalho? Não são elas a expressão do que somos? Tudo quanto estabelecemos, não provém daquilo que apreciamos ou repudiamos? Claro que sim. Sem muito esforço, podemos concluir que nossas regras são o transunto do nosso interior. Se minhas regras mudarem, foi porque eu mudei em meus princípios. E não pode ser diferente. E por que isso seria diferente com Deus. Se Ele diz que não devemos adulterar é porque não concorda com o adultério. As Escrituras asserem que Deus nunca muda. Mas alguém dirá: “A mudança é quanto ao quarto mandamento, que é uma sombra.” Sombra de quê? Se o sábado aponta para algo futuro, a que poderíamos atribuir, já que todas as leis cerimoniais apontavam para um evento no futuro? Quiçá alguém se arrisque a dizer que o sábado é uma alusão ao descanso predito em Hebreus! Porém, é necessário ressaltar que o descanso sabático referido em Hebreus está previsto para o futuro em relação aos que ainda não creram, que não entraram pela porta da graça, por ocasião do novo nascimento. Entrementes, para os que foram gerados de novo, que vivem uma nova vida, a entrada no descanso se dá no mesmo ato perdoador de Deus. E para esses, o descanso já está em voga. É assim que consta: “Porque nós, os que temos crido, é que entramos no descanso.Hebreus 4:3. E perceba, o leitor, que entrar no descanso de Deus significa uma das conseqüências do nascer dEle. Só entramos se crermos, pois quando cremos genuinamente somos transformados noutro ser em condições de habitar em Sua presença.
                 Há uma corrente que tenta usar a lógica para interpretar matéria espiritual, mas caro leitor, só o Espírito Santo pode nos interpretar o que Ele inspirou os homens a escrever. E se a lógica explicasse as coisas de Deus, como explicar a maravilhosa reação da água em suas mudanças químicas, as quais lançam por terra os padrões da Ciência? Como explicar a existência do Halo de Polônio no interior do granito? A que me refiro? O texto bíblico que muitos tentam aplicar a lógica é Colossenses 2:16. Lemos: “Ninguém, pois, vos julgue pelo comer, ou pelo beber, ou por causa dos dias de festa, ou de lua nova, ou dos sábados.” “Aqui”, dizem, “vemos que o apóstolo está se referindo ao sábado semanal, porque ele cita festas, que são anuais, festas que são mensais, e por fim, os sábados, que são semanais.” Seria mesmo a ordem certa – ano, mês, semana? Não seria: ano, mês e dia? Estranho, não? E quanto às festas? Não podemos afirmar que todas eram anuais, uma vez que o Pentecostes só poderia ser realizado empós o povo adentrar na Canaã prometida. Ademais, o sábado das festas eram chamados por Deus de “vossos sábados, e os semanais de “Meus sábados. A que categoria o apóstolo estaria se referindo? Há alguma diferença entre o sábado do povo e o do Senhor? Claro. Os sábados das festas não eram memoriais da criação; eles não foram destinados a fazer o homem lembrar-se do Criador do Universo, porquanto essa é a finalidade do sábado do Senhor, o sétimo dia da semana – trazer viva na memória do homem que o Criador do Universo é Deus, o seu Mantenedor, o seu Redentor. E esse sábado, o sábado do Senhor, foi posto na primeira tábua dos dez mandamentos, indicando que não santificá-lo, consoante o estabelecido, era afronta moral a Deus, pois O desqualificaria como o Ser que criou os céus e a Terra.
                 A interpretação errônea do versículo 16 decorre de sua segregação do versículo seguinte. Ali diz: “Que são sombras das coisas vindouras.” A palavra sombra indica a existência daquilo que ela projeta. Assim, as leis cerimoniais projetavam eventos ligados a Cristo no futuro, portanto, reitero a indagação, a que evento futuro o sábado semanal está associado? A nenhum. E sua eternidade está implicada não só nas palavras de Cristo, bem como na narrativa da criação ao passar de um dia para o outro. Jesus proclamou: “O sábado foi feito por causa do homem, e não o homem por causa do sábado.Marcos 2:27. Ora, quem seria a causa e o efeito aqui? O efeito deve durar enquanto a causa existir. A causa é o homem, sendo assim, enquanto o homem existir, haverá sábado por sua causa. E mais: desde o domingo até a sexta-feira, as Escrituras definem começo e fim de cada dia, menos para o sábado, porque ele é interrompido, não findo, pela intercalação dos dias destinados aos afazeres dos homens não permitidos no dia do Senhor. Noutras palavras: o sábado teve começo, mas não tem fim. O sábado é eterno.
                 Depois da restauração de tudo, quando os novos céus e a nova Terra forem estabelecidos para a habitação dos salvos, o sábado estará presente. Por Seu profeta Isaías Deus declarou: “Pois, como os novos céus e a nova terra, que hei de fazer, durará diante de mim, diz o Senhor, assim durará vossa posteridade e o vosso nome. E acontecerá que desde uma lua nova até outra, E DESDE UM SÁBADO ATÉ OUTRO, virá toda a carne a adorar perante Mim, diz o Senhor.Isaías 66:22 e 23. E porque o sábado estará lá? Porque lá estará a posteridade, ou seja, os salvos, a causa da existência do sábado do Senhor. E haverá necessidade de um sábado lá? Claro. A escola começa aqui e durará por toda a eternidade. O Livro Sagrado nos evidencia que deveremos crescer até a estatura de Cristo, e aqui não se está referindo ao tamanho do Seu corpo, mas pureza, santidade, enfim, qualidades morais. E por ser Ele Deus, desde a eternidade, presumimos, logicamente, que jamais alcançaremos sua estatura. Isso quer dizer que teremos que crescer espiritualmente para todo o sempre.
                 Mas que relação tem o sábado com o Espírito Santo? Leiamos novamente João 17:17 e 16:13: “SANTIFICA-OS na verdade; A TUA PALAVRA é a verdade.” “Mas, quando vier Aquele Espírito da verdade, Ele vos guiará em toda a verdade.João 16:13. O Espírito Santo é quem efetiva a santificação, e se utiliza da verdade. Como o sábado faz parte da verdade de Deus, ele está inserido no processo da santificação. Aquele que foi gerado pelo Espírito de Deus, entrará no descanso semanal com o seu Criador, pois sentirá necessidade desse dia. Sentirá prazer em desfrutar das horas santas para estar em comunhão com seu Pai, longe do burburinho da vida, no dia por Ele destinado exclusivamente para esse fim – ADORAÇÃO. E lembremos que adoração inclui também as obras de evangelização e de promoção do bem aos nossos semelhantes, posto que tudo isso enaltece o nome de Deus.
                 Pode ser novidade para muitos, todavia o dia do Senhor, o sábado, é símbolo também de santificação. “Também lhes dei OS MEUS SÁBADOS, PARA SERVIREM DE SINAL entre mim e eles, PARA QUE SOUBESSEM que eu sou o SENHOR QUE OS SANTIFICA.Ezequiel 20:12. Dessa forma, sendo o sábado santo, somente os que estão sendo santificados, os verdadeiros filhos de Deus, os quais são guiados pelo Espírito Santo, “pois todos os que são guiados pelo Espírito de Deus, esses são filhos de Deus”, Romanos 8:14, somente esses, repito, são os verdadeiros guardadores do dia do Senhor. São eles os remanescentes que estarão prontos na vinda do Salvador. “Aqui está a paciência dos SANTOS; aqui estão OS QUE GUARDAM OS MANDAMENTOS DE DEUS e a fé em Jesus.Apocalipse 14:12. E não podemos negar que aqui João se refere ao futuro, próximo à vinda de Cristo.
                 As Escrituras estampam que o fundamento da lei de Deus é o amor. Não poderemos guardar um só mandamento sem esse dom espiritual imprescindível. Nosso amado Senhor impôs uma condição que mede o que sentimos por Ele. “SE ME AMAIS, GUARDAREIS os Meus mandamentos.João 14:15. E Paulo dá a razão: “O cumprimento da lei É O AMOR.Romanos 13:10. Quando e como recebemos esse amor que nos capacita guardar os Seus mandamentos? O mesmo Paulo nos responde: “E a esperança não desaponta, porquanto o amor de Deus ESTÁ DERRAMADO em nossos corações PELO ESPÍRITO SANTO QUE NOS FOI DADO.Romanos 5:5. O amor de Deus é derramado em nós pelo Espírito Santo, visto que por Ele mesmo somos recriados à imagem de Deus, o qual é o penhor da nossa esperança, e isso nos ocorre quando cremos na promessa divina, contida na Palavra de Deus.
                 Todos quantos quiserem receber o Espírito de Deus serão atendidos, pois Ele não faz acepção de pessoas. Porém é necessário estar disposto a depositar todo o viver sobre o altar, para que Cristo possa realizar tanto o querer como o efetuar de Sua vontade. E essa promessa abrange a tua pessoa, amigo leitor, não importa quem sejas, e onde quer que estejas, sejam quais forem os teus pecados. Deus irá ao teu encontro, te abraçará e porá sobre ti novas vestes, a justiça de Seu Filho, aquilo que te falta para seres um filho do Altíssimo. Assim, aparecerás diante dEle como se nunca houvesses pecado, ou melhor, como se tivesses feito tudo perfeito, pois a vida de Cristo te será imputada.
                 Um nascer na família de Deus, do próprio seio do Salvador, está a tua espera, leitor. Não te demores! Vá a Ele hoje mesmo! A promessa é: “O que vem a Mim, de modo nenhum o lançarei fora.João 6:37. Então serás batizado, serás selado com o Espírito Santo da promessa, pois “tendo ouvido a palavra da verdade, o evangelho da vossa salvação, e tendo nEle também crido, fostes selados com o Espírito Santo da promessa.Efésios 1:13.
                 Que Deus nos abençoe!


1 comentários:

Anônimo,  21 de dezembro de 2011 06:04  

Irmão gostaria de dizer que a análise de um texto se dá por meio de uma exegese acurada das palavras na lingua original. Portanto, tanto o texto como a escrita para a leitura necessita ser repensada. Por favor, se vc quiser poderemos dar-lhe uma ajuda na construção de uma linha teológica mais coerente com o que realmente está prescrito nos escritos neotestamentários. Um abraço! e-mail - naldofisica@hotmail.com

Postar um comentário

  ©Gotas de Conhecimento - Todos os direitos reservados.

Template by Dicas Blogger | Topo